// Dia 27 de Abril | Sexta-Feira
Palco Praça Verde
22:00H | | Luxo da Aldeia | Música

Tantos carnavais depois, o Bloco Luxo da Aldeia segue com a ideia inicial, ainda em 2006, de mostrar a riqueza e a qualidade da música cearense a partir de frevos, marchas, sambas e maracatus que exaltam as mais diversas vertentes do nosso Carnaval. E é justamente esse o título escolhido para o primeiro CD do grupo, lançado, como não poderia deixar de ser, em fevereiro deste ano. Produzido por Pantico Rocha, Tantos Carnavais Depois traz composições próprias, canções já prestigiadas pelo público e diversas participações especiais A valorização da música local, que, de certa forma, reforça os laços culturais do cearense com o seu local de origem, segue presente tanto nos palcos como no disco de estreia. Clássicos como Carneiro (Ednardo), Noite Azul (Pingo de Fortaleza, Parahyba e Augusto Moita), Coisa Acesa (Moraes Moreira e Fausto Nilo) e Bati na Porta (Lauro Maia e Humberto Teixeira) estão entre as canções presentes nos shows e que também estão no CD.  Bloco do Susto, composição de Ednardo que fala sobre a saudade do carnaval, também não poderia ficar de fora. Essa música representa a grande interação do Luxo da Aldeia com o público, que é convocado para "despencar, despencar", como diz a letra. "Nesse momento, todos se abaixam e, quando voltamos a cantar, acontece aquela explosão de alegria. E o mais bacana é que isso surgiu de forma espontânea e não deixa de ser uma marca dos nossos shows", afirma Mateus Perdigão, compositor, guitarrista e vocalista, que destaca ainda a participação do guitarrista Moacir Bedê na gravação, que imprimiu uma pegada mais jazzística à música.
Músicas próprias e parcerias Tantos Carnavais Depois também conta com 4 faixas compostas pelos integrantes do Luxo da Aldeia, além de parcerias e verdadeiros presentes dados ao Bloco. Serpentina, música que abre o disco, tem um significado especial porque foi a primeira de autoria própria a entrar no repertório do Bloco. Feita em parceria entre Bruno Perdigão e Thales Catunda, músicos do Luxo da Aldeia, com o compositor cearense Marcus Dias, a canção retrata um folião transitando pelos diversos blocos e espaços da cidade. "Serpentina traz a sonoridade do bloco, com forte presença das
guitarras misturadas no frevo", pontua Bruno Perdigão.
Marcus Dias, inclusive, é um dos grandes compositores presentes no disco. Ele assina, por exemplo, as músicas Marcha da Noite e do Dia, Um Sol pra Cada Um (ao lado, mais uma vez, de Bruno Perdigão e Thales Catunda) e Ó, Linda Fortaleza, esta última parceria com Mateus Perdigão, que fala sobre o ressurgimento do Carnaval de Rua em Fortaleza. A letra procura trazer a memória - e a importância - das bandinhas e dos blocos antigos, que tanto honraram nossas ruas e que, ainda hoje, inspiram novas gerações de foliões e brincantes. "Nessa música, contamos com a participação de George Anderson, no violão sete cordas, e Luiz José, com seu cavaquinho seis cordas", reforça Mateus.