Hub Cultural atrai players do mercado do Chile e da Europa e exposição francesa para a Maloca 2018
Convidados do Chile, de Portugal, da França e Suíça estarão presentes no Conexões Maloca, o mercado de negócios do festival. O intercâmbio traz ainda a exposição "No Coração de Maio de 68", da França, e artistas chilenos para a programação artística

Em janeiro deste ano, o Instituto Dragão do Mar (IDM) iniciou uma série de negociações com instituições culturais de países sul-americanos e europeus, articulando um verdadeiro hub cultural, que tem ganhado força com os novos fluxos de aviação instalados recentemente no Ceará. Alguns desses intercâmbios já começam a apresentar resultados, com a vinda de realizadores e programadores chilenos e europeus para a Maloca Dragão 2018 e ainda uma exposição vinda da França aberta durante o festival, que será realizado de 24 a 29 de abril.

 

Uma dessas articulações resultou num convênio de cooperação técnica assinado presencialmente com importantes instituições do Chile para a realização de projetos conjuntos. Alguns deles se adiantam com a Maloca, que terá a presença de programadores e realizadores do mercado cultural das províncias chilenas de Santiago e Valparaíso e a participação de artistas desse país na programação artística do festival.

 

Programadores do Chile vão fazer parte do Conexões Maloca, o mercado de negócios do festival, responsável por impulsionar, numa iniciativa única, a circulação dos artistas cearenses em outros palcos e também trazer artistas de fora para cá. Estarão presentes no Conexões: Noela Salas Sharim e Tomás Muhr (foto), diretores da plataforma de projetos musicais independentes La Makinita. Muhr é também diretor do Imesur - Encuentro de Industria Musical Latinoamericana.

 

As articulações do IDM com o Chile trazem ainda à Maloca o diretor executivo do Centro Cultural de Matucana 100, Juan Cristóbal Gumucio Aninat; e, em parceria com a Prefeitura de Valparaíso, Samuel León (gabinete da Prefeitura), Tatiana Vasquez (Secretaria do Desenvolvimento Econômico de Valparaíso) e Isabella Monsó (Secretaria da Cultura de Valparaíso). Essa comitiva, por sua vez, foi convidada a realizar uma visita técnica para conhecer as instalações do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura e planejar ações de intercâmbio cultural ainda no segundo semestre deste ano (VALPO/FOR) e para 2019 (FOR/VALPO).

 

Além dos programadores, a presença chilena também se dará com os artistas desse país. Por meio de convocatória realizada em Valparaíso, foram selecionados para se apresentar na Maloca Dragão: a Compañía Sombra Circo Contemporáneo, com o espetáculo "Future Selfy"; o Teatro del Ocaso, com a peça "La pequeña ficción política"; e o artista plástico Felipe Figueroa, com o projeto de arte urbana "Rostros de Chile". La Makinita e o Imesur indicaram ainda duas bandas de Santiago para a programação do festival, Apokálipo e Mákina Kandela.

 

"A conexão aérea que nos aproxima do Chile nos permite também uma aproximação cultural. A presença de representantes dos mais importantes centros culturais e de aceleradoras de projetos artísticos chilenos vai proporcionar aqui uma troca única de experiências entre artistas e instituições dos dois países. Além dos convidados do Chile, vamos levar artistas cearenses para lá logo mais", afirma o presidente do IDM, Paulo Linhares.

 

 

Conexões europeias

 

Diretamente da Europa, seis nomes participam do mercado de negócios em cultura da Maloca Dragão: Isadora Dartial, programadora e apresentadora da rádio cult francesa Radio NovaLuís Viegas, presidente e fundador da Ao Sul do Mundo, agência portuguesa de empresariamento artístico e de shows; Patrick David, diretor artístico das gravadoras Sony Music France e V2 Music France, de 1996 a 2003, e fundador da respeitada agência de show, representação artística e selo europeu Two Gentlemen, com base na Suíça; Patrick Duval, diretor de programação da casa de show Le Rocher de Palmer, em Bordeaux, na França, e diretor artístico do festival de world music Musiques MétissesSylvian Briand, diretor de programação da casa de shows Le Silex, na cidade francesa de Auxerre, e programador do Catalpa Festival; e Fernando Sousa, programador, curador e produtor cultural de eventos e festivais de música em Portugal e países lusófonos e, desde 2004, curador da Fundação Casa da Música, na cidade do Porto, em Portugal.

 

Esta é a segunda vez consecutiva em que o Conexões Maloca traz nomes internacionais dispostos a conhecer e a fazer circular a arte cearense. Em 2017, participaram programadores e realizadores de Nova York, Cabo Verde e Portugal. Além dos convidados estrangeiros, a iniciativa traz ainda contratantes, jornalistas, empresários, curadores de festivais e de centros culturais brasileiros.

 

 

 

Exposição "No Coração de Maio de 68"

 

 

Em parceria com o Instituto Dragão do Mar, a Aliança Francesa de Fortaleza, o Institute Français do Brasil e o Consulado Geral da França no Recife trazem a Fortaleza a exposição "No Coração de Maio de 68", que terá abertura no dia 26 de abril ? terceiro dia da Maloca Dragão 2018, que terá como tema, neste ano, "As barricadas abriram caminho: os 50 anos de maio de 68". Realizada na Multigaleria do Dragão do Mar, a mostra apresenta 43 fotos inéditas do emblemático fotógrafo francês Philippe Gras, (1942-2007). Pertencentes ao acervo do artista, as obras estavam perdidas havia uma década. Em território brasileiro, a exposição foi montada antes somente em Natal, no Rio Grande do Norte. 

 

Philippe Gras foi um grande fotógrafo de seu tempo, tendo colaborado com inúmeras publicações francesas como as revistas Actuel, Jazz Hot e L'art Vivant. Viajou o mundo em coberturas fotojornalísticas tendo trabalho reconhecido no Butão, Irã, Camboja, Coreia do Sul, Vietnã e Hungria. É até hoje reverenciado graças às suas fotos emblemáticas no Maio de 68, assim como por suas séries sobre o metrô de Paris e com personalidades do Jazz e do Rock. 

 

Além das fotografias, a mostra exibirá ainda uma série de dois documentários inéditos chamada "Mai 68, un étrange printemps" (em tradução literal, Maio de 68, uma primavera estranha). Dirigida pelo historiador Dominique Beaux, a série apresenta personagens fundamentais do mundo político naquela época. 


 

O festival

 

Festival que celebra o aniversário do Centro Dragão de Arte e Cultura e a força crescente da produção artística cearense, a Maloca Dragão chega à quinta edição em 2018. Realizado de 24 a 29 de abril, o festival já tem as seguintes atrações brasileiras convidadas confirmadas: Letrux, Rincon Sapiência, Richie Ramone, Francisco, El Hombre, na música; e também o Teatro Máquina, com o espetáculo "Nossos Mortos", e a Companhia Formosura, com a peça "Frei Tito: Vida, Paixão e Morte".

 

Neste ano, o tema da Maloca será "As barricadas abriram caminho: os 50 anos de maio de 68", a partir do qual será feita uma profunda reflexão das revoltas de maio de 1968, no Brasil. Shows, espetáculos, debates e uma mostra de cinema darão conta de analisar o impacto desse momento histórico e o que ele significa para os dias de hoje. A Maloca 2018 homenageia ainda o artista cearense Sérvulo Esmeraldo, com exposição no Museu de Arte Contemporânea do Ceará, e um percurso especial pelas obras em exposição na cidade.

 

A Maloca Dragão é uma realização do Governo do Estado do Ceará, através do Instituto Dragão do Mar, e tem o apoio da Prefeitura Municipal de Fortaleza.